3 dias em Pequim

Tiananmen , Pequim

Sobre a cidade

Pequim é uma cidade na China com cerca de 20 milhões de habitantes. Numa cidade com esta dimensão e densidade populacional as opções de atividades são muitas e para todos os gostos e orçamentos. Passámos 3 dias em Pequim. Sendo uma cidade com tantas coisas para fazer, três dias não são suficientes para visitarmos tudo, até porque a cidade é grande e as deslocações, mesmo sendo fáceis, são demoradas.

É uma cidade que em comparação com outras na China, continua a preservar a sua essência oriental, tanto pela arquitetura como pelos costumes. Obviamente que como em qualquer outra cidade do mundo, nota-se muito a presença das grandes cadeias ocidentais, no entanto ali a tradição continua a ser muito importante.  

Nesta publicação vamos descrever o itinerário dos nossos 3 dias em Pequim, experiências e dicas assim como atividades extra que optámos por não fazer devido à limitação do tempo disponível.

Dia 1

A chegada

Chegámos ao aeroporto e a passagem pelo controlo de passaportes foi bastante rápida uma vez que era tudo bem organizado. A ligação entre terminais faz-se num comboio, até ao terminal principal onde se levantam as bagagens. Nesse terminal é possível apanhar o metro diretamente para o centro da cidade.

Ao contrário do que pensávamos o metro funciona muito bem, a frequência e pontualidade são impressionantes, e mesmo havendo milhões de pessoas que usam este meio de transporte diariamente, não é habitual verem-se grandes filas para entrar nas carruagens. O preço do metro é muito barato e poderá ser adquirido um cartão através de um depósito de ¥20 que pode ser devolvido no final contra a entrega do cartão.

Onde ficámos

Escolhemos um hotel da cadeia Pentahotel porque já tínhamos ficado anteriormente num em Bruxelas. Na altura tínhamos achado que o hotel era muito giro, com uma decoração fora do normal, e que tinha uma excelente relação qualidade/preço tendo em conta que se trata de um hotel de 4 estrelas. À chegada confirmámos que de facto estes hotéis são peculiares. O “lobby” deste era um conjunto de salas de refeição em vidro, com uma zona de snooker mesmo no centro. Este é um espaço que convida muito ao convívio e diariamente vemos grupos de pessoas a beberem um copo ou disputarem um jogo de snooker.

O hotel localiza-se em Dongcheng que para nós foi muito central e tinha excelentes acessos de metro (passam ali a linha 2 e 5) e a estação mais próxima era Chongwenmen. Como só tinhamos 3 dias em Pequim a centralidade do hotel foi muito importante.

Primeira experiência gastronómica

Após fazer o check-in decidimos embarcar numa aventura para almoçar. Tipicamente nos países fortemente marcados por uma cultura gastronómica, evitamos optar por cadeias internacionais. Às vezes é difícil escolher um restaurante quando ainda não se está ambientado ao local onde estamos de férias e quando estamos cansados de uma longa viagem. Nas ruas circundantes ao hotel havia vários restaurantes de comida oriental. Então, para escolher um, optámos pelo critério de qual tinha mais clientes locais e fomos a um restaurante onde era possível degustar diferentes tipos de dumplings e sopas de massa. Como mais tarde confirmámos, em Pequim quase ninguém fala inglês e a presença ocidental não é muito notada (podes-te cruzar com milhares de pessoas num dia e nenhum deles ser um ocidental). Este restaurante não era excepção. Escolhemos, arriscando nos sugestivos menus cheios de imagens e de facto não nos podemos arrepender pois os dumplings eram feitos no momento e as sopas tinham caldos muito saborosos e aconchegantes, tudo num conceito de cozinha aberta.

Como apenas tínhamos o resto da tarde optámos por visitar logo o Palácio de Verão, porque fica relativamente mais longe do centro da cidade e mesmo de metro demorava-se cerca de 1 hora a chegar. No final da visita, fomos até Wangfujing visitar o mercado, onde acabámos por jantar no Restaurante Quanjude Roast Duck, um típico pato assado no forno à moda de pequim.

Palácio de Verão

Summer Palace Hill, Pequim
Colina do Palácio de Verão, Pequim

O Palácio de Verão, também conhecido como Yiheyuan que significa “Jardim da Harmonia Cultivada”, é o maior e melhor conservado parque real da China. Estende-se por uma área de 2,9 quilômetros quadrados, sendo cerca de 75% ocupado pelo lago Kunming que é totalmente artificial. Neste espaço encontram-se construídos vários palácios, jardins e outros edifícios de arquitectura clássica oriental. Deve-se ter em conta pelo menos entre 3 a 4 horas para a visita.

  Mais informação sobre preços e horários aqui
  Beigongmen (Linha 4)

Wangfujing

Mercado Wangfujing, Pequim
Mercado Wangfujing, Pequim

Wangfujing é uma zona comercial tanto com comércio mais tradicional como lojas de cadeias internacionais. Mas a parte interessante desta rua é o mercado tradicional de comida chinesa. Numa rua transversal à avenida principal há uma entrada para uma rua cheia de pequenas bancas de comida. Quando se entra começa-se a sentir uma mistura de aromas que não deixa ninguém indiferente. Logo na entrada desta rua é possível ver algumas bancas que vendem iguarias orientais tais como: escorpiões, gafanhotos, grilos e larvas. Tudo em espetos e frito. Para quem for mais sensível pode não ser uma boa experiência mas, para nós, foi interessante ver, na sua maioria, orientais a comer aqueles petiscos com satisfação. Mas não nos atrevemos a provar. Para além de outras coisas como waffles, frutas e sandes, é possivel ver algumas pessoas a comerem ossos enormes com carne.

Este foi sem dúvida um dos momentos em que tivemos um maior choque cultural e é um ponto de paragem obrigatório numa visita a Pequim.

  Dengshikou (Linha 5)

Restaurante Quanjude Roast Duck

É um restaurantes com uma longa tradição culinária desde a sua abertura em 1864. Em Pequim existem vários restaurantes deste grupo e o principal prato servido por eles é o pato assado.

Este restaurante, que visitámos na zona de Wangfujing, é na realidade um prédio em que os vários pisos estão repletos de salas de refeição. É bastante notório que o nível de luxo deste restaurante é superior à média em Pequim. À chegada fomos recebidos por um recepcionista que nos indicou a que piso nos devíamos dirigir. No piso indicado fomos recebidos pelo empregado de mesa que nos acompanhou à mesa e nos ajudou a escolher o que íamos comer e, mesmo não falando muito inglês, esforçou-se ao máximo para nos compreender e para que o compreendêssemos. Como na maioria dos restaurantes na China, as ementas são enormes e com muitas opções. Nós escolhemos a degustação de pato assado. Neste prato o pato é desmanchado pelo cozinheiro à nossa frente e vão sendo servidas várias partes deste ao longo do jantar. Para acompanhar pedimos os tradicionais crepes e o molho típico. No final é ainda servido um caldo feito com o resto do pato anteriormente servido.

  Preço de um pato inteiro com acompanhamentos: 288¥
  Dengshikou (Linha 5)

Dia 2

Templo do Céu

Tempo do Céu, Pequim
Tempo do Céu, Pequim

O Templo do Céu é um complexo de templos taoístas em Pequim. Foi construído em 1420 e é hoje em dia considerado patrimônio da humanidade pela Unesco. Este parque é circundado por uma muralha e é muito visitado pelos locais. É possível ver pessoas a fazerem diversas atividades ali: jogos tradicionais, dança, tai chi, meditação e artes marciais.

Ao visitar este local sentimos uma perfeita harmonia entre a natureza e as pessoas, transmitindo uma enorme sensação de paz.

  Parque/Acesso total  Abril-Outubro ¥15/35, Novembro-Março ¥10/30
Tiantan East Gate (Linha 5) ou Zhushikou (Linha 7)

Qianmen

Pórtico de Qianmen, Pequim

A zona pedonal de Qianmen, também conhecida como Zhengyangmen localiza-se no eixo central de Pequim (entre a torre de Qianmen e o parque Tiantan).Os edifícios daquela zona são da época das dinastias Ming e Qing, embora tenham sido recentemente restaurados, e têm lojas e restaurantes. É um óptimo local para fazer compras e fazer uma refeição típica. É uma zona muito concorrida durante o dia.

Qianmen (Linha 2) ou Zhushikou (Linha 7)

Tiananmen

Tiananmen é uma das praças mais conhecidas de Pequim que se extende desde Qianmen até à entrada da Cidade Proibida.

Nesta zona é possivel ver vários edificios comunistas em conjunto com pórticos antigos de estilo oriental, tais como:

  • Grande Salão do Povo
  • Zhengyang Men
  • Mausoléu do Mao
  • Monumento aos Herois do Povo
  • Museu Nacional da China
  • Tiananmen

Tiananmen é na realidade um pórtico onde está afixada a fotografia do Mao, que é considerado um símbolo nacional e marca a entrada para a cidade imperial. Foi construído durante a dinastia Ming. Naquela zona é onde se encontram a maioria dos edifícios governamentais chineses. Naquela zona existe um grande perímetro de segurança que obriga à apresentação do passaporte e a um controlo de bagagem.

A visita daquele local é simbólica e a passagem a caminho da cidade proibida faz-se pelos portões daquele edifício.

A forma mais conveniente de chegar ali será caminhando desde Qianmen ou de metro.

Tiananmen  (Linha 1)

Parque Jingshan

O parque Jingshan fica no centro de Pequim e é um jardim ao longo de vários colinas de uma montanha que no seu topo tem um miradouro em que é possivel ter uma vista 360º da cidade. Quando entrámos no parque havia um grupo de locais a dançarem com fitas o que tornou esta visita especial. O parque é grande e deves reservar tempo suficiente para o puderes visitar, porque o caminho é quase sempre a subir.

  ¥10
Dongsi (Linha 5/6)

Day 3

Grande Muralha da China

A Grande Muralha da China é um conjunto de fortificações construídas ao longo de vários séculos que no conjunto têm uma extensão de 21 mil quilômetros. Foram inicialmente construídas com o objetivo de proteger o império chinês de invasões de outros povos. Estima-se que as primeiras secções tenham sido construídas no século VII AC.

Com mais de 27 séculos de história, para além de ser uma das sete maravilhas do mundo, continua a ser uma das atrações turísticas mais apelativas do mundo. De facto, todos criamos a ideia de que é enorme e imponente, mas a confirmação disso só acontece quando estamos mesmo dentro dela. Quando nos apercebemos da sua imensidão, parece que tudo pára por alguns segundos à nossa volta e contemplamos a sua beleza e imponência.

Para visitarmos a muralha optámos por contratar um motorista no hotel para nos levar pois desta forma conseguimos rentabilizar melhor o tempo e aproveitar a visita.

Hutongs

Os hutongs são um tipo de rua ou bairro muito típico nas cidades do norte da China, como Pequim. Estas ruas são constituídas por pequenas casas típicas e na sua maioria têm fins habitacionais. Houve uma época em que muitos Hutongs foram demolidos para dar lugar à construção de estradas e edifícios modernos, no entanto agora são locais protegidos uma vez que fazem parte da cultura chinesa. É possível encontrar estes bairros em muitos locais da cidade. Nós optámos por visitar a zona de Hou Hai. Nesta zona existe também um parque com um lago (Black Lake)  onde é possível andar de barco e passear pelas ruas que têm lojas e vários bares com música ao vivo.

Atividades Extra

Estádio Nacional (Bird’s Nest)

O Estádio Nacional, também conhecido como Bird’s Nest (Ninho dos Pássaros), localizado na Olympic Green Village é uma obra de engenharia e arquitectura que não deixa ninguém indiferente. É usado para eventos desportivos mas também tem um centro comercial no seu interior.

A parte exterior do edifício é um entrelaçado de barras metálicas que cria a ilusão de parecer um ninho. À noite com as luzes ligadas o estádio é de facto digno de ser visto.

Cidade Proibida

Na nossa viagem não visitámos a cidade proibida uma vez que estava fechada no dia em que tínhamos planeado. Não deixaremos de a visitar numa próxima oportunidade. A cidade proibida é um complexo de palácios que acolheu vários imperadores. É constituída por mais de 900 edificios e por isso a visita deve ser feita com tempo suficiente.

Tiananmen  (Linha 1)

Torres do Tambor e do Sino

Gulou, ou Torre do Tambor de Pequim, situa-se no extremo norte do eixo central da Cidade Interior, a norte da Rua Di’anmen. Originalmente construído por razões musicais, mais tarde foi usado para anunciar o tempo e agora é uma atração turística.

Um pouco mais a norte fica Zhonglou, ou Torre do Sino de Pequim. Nesta torre encontra-se suspenso um sino de 42 toneladas que pode ser tocado pelos visitantes durante o festival da primavera. Dizem que quem o tocar tem boa sorte.

Túmulos da dinastia Ming

Os túmulos Ming são uma conjunto de mausoléus construídos pelos imperadores da dinastia Ming da China. Em Chang Ling estão sepultados 13 dos 16 imperadores Ming. É um exemplo mais importante de arquitectura chinesa de túmulos imperiais.


Os nossos 3 dias em Pequim foram sem dúvida uma surpresa pela positiva. É uma mistura da tradição chinesa com a modernidade. A maioria dos locais foram atenciosos e prestáveis nas interações e existem muitos sítios onde se come muito bem, tanto comida tradicional como comida internacional. Nota-se cada vez mais uma abertura ao ocidente mas não é demasiado evidente que a cidade esteja cheia de turismo internacional. Na realidade o facto de viver tanta genta na cidade pode ajudar a que os ocidentais passem despercebidos.

Pequim proporcionou-nos o choque cultural que procurávamos pelo modo de vida das pessoas, pelos costumes e pela comida. Surpreendeu-nos também a cidade ser uma das que já visitámos com as ruas mais limpas.

A cidade têm imensos pontos de interesse e é enorme o que tornou o tempo da viagem um pouco curto e provavelmente voltaremos no futuro para explorar o que ficou a faltar. Mas, se só tiveres 3 dias em Pequim não vais ficar desiludido.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *