7 dias em Malta: O nosso itinerário em Malta (Parte 2)

Vista Dingli cliffs

Esta é a segunda parte do nosso itinerário de 7 dias em Malta. Podes ler a primeira parte aqui, que descreve os primeiros 4 dias da nossa viagem. Nesta parte iremos falar dos 3 dias seguintes assim como de atividades extra que não fizemos por falta de interesse, tempo ou devido às condições climatéricas, mas que podem ser interessantes para ti.

 Podes encontrar mais informações sobre Malta e dicas para organizares a tua viagem aqui e os quatro primeiros dias do nosso itinerátio aqui.

Dia 5

Mdina

Começámos este dia por visitar Mdina, “a cidade silenciosa”. Devido à quantidade de turistas, Mdina não estava assim tão “silenciosa”. Recomendamos que visites Mdina cedo (antes dos autocarros dos turistas chegarem) ou ao fim do dia para a tua experiência ser a melhor possível.

Mdina é uma cidade fortificada na região centro de Malta que tem uma extraordinária mistura entre arquitetura medieval e barroca e está repleta de tradição religiosa e cultural. Mdina era a antiga capital de Malta e é adjacente à cidade de Rabat.

Depois de entrares nos portões da cidade antiga, podes visitar a Catedral de São Paulo, as Masmorras de Mdina e o Museu Nacional de História Natural. No centro da cidade, há algumas lojas de artesanato que vendem lembranças artesanais, como rendas e há também uma loja de vidro de Mdina que vende artefatos de vidro típicos da cidade.

No centro da cidade, se quiseres comer uma espetacular fatia de bolo, tens que ir ao Fontanella Tea Garden, que tem uma selecção de bolos caseiros em combinações de massas, recheios e coberturas que te vão deixar sem saber qual escolher. Para além disso a esplanada no piso superior tem uma ótima vista dos arredores da cidade.

Mdina tem uma arquitetura que vale mesmo a pena apreciar, e entre os vários edifícios existem ruelas, janelas e portas típicas que que têm tanto de bonito como de misterioso.

Porta Azul, Mdina

 Autocarro 51, 52 ou 53 de Valletta para Mdina

Rabat

Ao saíres da cidade de Mdina em direcção a Rabat, encontras, do lado direito, a Domvs Romanae que é uma cidade romana que podes ter interesse em visitar e logo a seguir um pequeno café, o ‘Tas-Serkin’ (Cristal Palace). Aqui podes comer deliciosos Pastizzi. Nós experimentámos o tradicional recheado de ricotta e o recheado de ervilhas e eram ambos divinais.

Rabat é muito conhecida pelas catacumbas de S. Paulo e Sta. Agata, que se situam por baixo das ruas da cidade. Optámos apenas por visitar as ruas da cidade e apreciar o quotidiano e a arquitetura.

Dingli Cliffs

No centro da cidade apanhámos o autocarro para os Dingli Cliffs. Após uma viagem de cerca de 15 minutos saímos na paragem Vizitaturi e fizemos o caminho a pé até à capela de Santa Maria Madalena. Esta zona de desfiladeiros junto ao mar tem uma vista absolutamente fantástica, e para nós valeu muito a pena parar naquela zona e apreciar a vista durante algum tempo.

 Autocarro 201

Valletta e Gzira

De regresso a Valletta, escolhemos um restaurante tipicamente italiano para jantar, o Pastaus. Optámos por aquele restaurante, porque nos dias anteriores estava sempre cheio. O restaurante parece ser gerido por italianos e os pratos são na sua maioria de pasta. Aqui escolhe-se ao balcão numa vitrina qual a pasta fresca que pretendemos e o molho. É absolutamente divinal. Para complementar a nossa refeição, pedimos também uma maravilhosa tábua de queijos italianos.

Bolo de canela da Cinnabon

Seguindo as recomendações que tínhamos para Malta, e como temos uma forte adição por sobremesas, saímos de Valleta de autocarro em direcção a Gzira para irmos ao local em que dizem servir os melhores rolos de canela de Malta, o Cinnabon (há outras lojas noutros locais). Acreditem, valeu os 30 minutos de autocarro. Gzira é uma zona mais turística junto a uma marina e, como o tempo estava agradável, optámos por fazer uma caminhada nesta zona.

 Autocarros 13, 15 ou 21 de Valletta para Gzira

Dia 6

Gozo

Neste dia visitámos a ilha de Gozo. Só dedicámos um dia a esta ilha e, com o tempo da viagem de autocarro e de ferry, não nos foi possível visitar tudo o que gostaríamos. Para visitares Gozo de uma forma mais completa recomendamos passares pelo menos 2 dias na ilha. É uma ilha pequena mas tem vários pontos de interesse e a frequência dos autocarros é menor que na ilha de Malta. O Tallinja Card, que tem viagens ilimitadas de autocarro durante 7 dias e custa 21€, é válido tanto na ilha de Malta como em Gozo.

Paisagem de Gozo

Para chegares a Gozo deves apanhar o ferry (Gozo Channel) em Cirkewwa. O preço da viagem é de 4,65€ (ida e volta) e demora cerca de 25 minutos. Mais informação sobre tarifas e horários aqui.

Em Gozo sente-se uma tranquilidade maior do que na ilha de Malta e um ambiente mais tradicional e menos turístico. Visitámos a cidade de Victoria (Il-Belt Victoria), a Cidadela e a zona de salinas entre Xwejni e Marsalforn. Para nós, o ponto alto deste dia foi a caminhada que fizemos ao longo da costa acompanhados pelas salinas.

Salinas em Gozo, Xwejni

 Autocarro 41 ou 42 de Valletta para Cirkewwa
 4,65€ bilhete de ferry de ida e volta

Podes ver mais informações sobre a nossa visita à ilha de Gozo aqui.

Dia 7

Pequeno-almoço no Piadina cafe

Este era o último dos nossos 7 dias em Malta. Tínhamos que estar prontos ao início da tarde para ir para o aeroporto por isso tentámos aproveitar para conhecer mais algumas zonas durante a manhã. Tomámos o pequeno-almoço no Piadina Café, que tem um óptimo ambiente exterior para relaxar, e aproveitámos para ir conhecer o que nos faltava das três cidades.

Senglea e Cospicua

Tanto Senglea como Cospicua apresentam alguns pontos de interesse mas a nossa opção foi passear pelas ruas e apreciar a arquitectura e o quotidiano malteses. Nas três cidades, uma vez que são zonas residenciais, o ambiente é mais tradicional do que por exemplo em Valletta ou Sliema.

 Autocarros 1, 2 ou 3 com saída de Valletta

Atividades Extra

Praias

Não visitámos Malta com a intenção de fazer praia mas existem boas opções de praia em Malta, Gozo e claro, Comino, em que toda ilha convida a banhos de sol e mergulhos no mar.

A maioria das praias são de pedra ou rocha mas existem algumas praias de areia. Em Malta tens, por exemplo, a St.Peter’s Pool, as praias na costa de Sliema e St. Julian’s, St. Paul’s Bay, Mellieha Bay e a Golden Bay. Em Gozo tens a Ramla Bay, Marsalforn e Xlendi. Em Comino, as zonas mais populares são a Blue Lagoon ou a Santa Marija Bay.

Popeye Village

Não visitámos a Popeye Village maioritariamente por desinteresse mas é um dos pontos turísticos da ilha. Nesta aldeia foi filmado o filme do Popeye. Hoje em dia, é um espaço de diversão aquático muito apreciado por crianças. Ali é possível ver vários espetáculos de animação, andar de barco, ver o estúdio onde foi filmado o Popeye, entre outras atrações. A entrada custa entre 11 e 17€, dependendo da altura do ano.

Blue Grotto

O Blue Grotto é um sistema de grutas no sul de Malta. É um sítio muito visitado na ilha, e também um óptimo local para os amantes de mergulho. Naquela zona, devido à flora marítima, o mar reflete tons azuis escuros que tornam a paisagem única. As grutas são visitadas de barco.

Hipogeu de Hal Saflieni e templos de Tarxien

O Hipogeu de Hal Saflieni é um cemitério pré-histórico subterrâneo composto por três câmaras distribuídas por três níveis distintos e ligadas entre si. É considerado património mundial da UNESCO (desde 1980) e é o único templo subterrâneo pré-histórico conhecido. Os templos de Tarxien são um complexo de estruturas megalíticas que fazem parte do conjunto de templos megalíticos de Malta e são património mundial da UNESCO desde 1992.

Ferry para Sicília, Itália

Uma hipótese quando visitas Malta é apanhares o Ferry e ires até à Sicília, no sul de Itália. Podes apanhar o ferry da Virtu Ferries. A viagem custa 77€ (ida e volta) e demora cerca de 1h45. É uma alternativa que provavelmente teríamos aproveitado se tivéssemos mais dias para viajar.


Os nossos 7 dias em Malta foram ótimos e recomendamos a visita a estas ilhas a qualquer pessoa. As três principais ilhas do país oferecem desde locais históricos interessantes a locais cheios de cultura, natureza, boas praias e uma excelente gastronomia. Para nós, que estávamos reticentes sobre se íamos ou não gostar de Malta, foi uma agradável surpresa. Com tanto para oferecer, qualquer um terá umas férias preenchidas em Malta e ficará com vontade de voltar para experimentar tudo o que ficou por fazer.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *