Itinerário em Malta: Os nossos 7 dias em Malta (Parte 1)

Vista Noturna dos Upper Barraka Gardens, Valletta, Malta

Quando decidimos visitar Malta e começámos a planear o nosso itinerário em Malta, percebemos que 7 dias seria o tempo ideal para visitar praticamente tudo o que queríamos e ainda passar um dia em Comino e outro em Gozo.

Podes encontrar mais informações sobre Malta e dicas para organizares a tua viagem aqui.

Como acontece a maioria das vezes, depois de chegarmos ao país, o nosso plano foi sofrendo alterações. Nesta série de publicações iremos partilhar o nosso itinerário em Malta (e outras atividades que optámos por não fazer mas que te podem interessar) assim como dicas de restaurantes e de como aproveitares o teu tempo em Malta da melhor forma. Na primeira e segunda parte iremos apresentar o nosso itinerário em Malta assim como as atividades extra. A terceira e última parte é dedicada às ilhas de Comino e Gozo.

Dia 1

Valletta

Valletta, capital europeia da cultura em 2018, foi uma cidade que nos cativou pelo o ambiente acolhedor e aconchegante que transmite. Durante o dia tem muito movimento, tanto de locais como de turistas (muitos cruzeiros fazem paragem no porto de Valletta). Mas durante a noite torna-se uma cidade calma e sossegada proporcionando ótimas e românticas caminhadas noturnas.

Para além do ambiente da própria cidade, que convida a passear e relaxar nas várias esplanadas e miradouros, esta tem ainda muitos pontos de interesse turísticos interessantes como o Grand Master’s Palace, a St. John’s Co-Cathedral ou o Manoel Theatre.

Alojamento

Ficámos hospedados no West Street Apartments. Estes apartamentos situam-se num edifício com cerca de 200 anos que foi restaurado de forma a manter o traçado original. A localização era ótima mas, sendo Valletta uma cidade pequena, qualquer localização dentro da cidade será boa. Podes ver mais informações e marcar o teu hotel aqui.

Pequeno-almoço no Café Jubilee, omelete e ovos mexidos, Malta
Café Jubilee

Ficar num apartamento permite mais flexibilidade quanto às refeições, permitindo também gerir melhor o orçamento. No entanto, no primeiro dia, optámos por procurar um local para tomar o pequeno-almoço fora. Pela influência britânica existem muitos pubs na cidade, por isso optámos pelo pequeno almoço no Café Jubilee que é muito tradicional e tem várias opções.

Is-suq tal-Belt food market

Este edifício é um mercado que procura juntar no mesmo local vários restaurantes de nacionalidades diferentes, onde é possível provar algumas iguarias maltesas e de todo o mundo. Fizemos várias refeições neste local durante a nossa viagem a Malta. No piso inferior há um supermercado gourmet.

Upper Barrakka Gardens

Visitámos os Upper Barrakka Gardens e foi aqui que provámos o nosso primeiro Pastizz. Os Pastizzi são muito típicos de Malta. São uma espécie de pastéis de massa filo, tipicamente recheados com queijo ricotta ou ervilhas e são maravilhosos. Há algumas variações mais inovadoras, como de ricotta e chocolate, para os mais gulosos. Não podes deixar de os experimentar.

Foi aqui que pela primeira vez nos deslumbrámos com a vista para as três cidades. No miradouro é possível avistar Vittoriosa (Birgu), Senglea (Isla) e Cospicua (Bormla). No dia em que visitámos este local, o tempo estava excelente e o reflexo do céu azul na água, os barcos e a silhueta costeira das três cidades criaram uma paisagem de cortar a respiração.

Vista dos Upper Barraka Gardens, Malta
Vista dos Upper Barraka Gardens

Neste local existe um elevador que te permite descer para a zona costeira, onde se apanha o ferry para as três cidades (apenas a descida é gratuita).

Vittoriosa

Decidimos apanhar o Ferry para as três cidades e ir almoçar em Vittoriosa. Na zona da marina existem vários restaurantes com diversos tipos de gastronomia. As esplanadas são muito agradáveis e permitem relaxar um pouco, comer uma refeição e apreciar os barcos atracados nas docas. Optámos pelo restaurante Sottavento que serve risottos, pastas e peixes frescos do dia.

Durante a tarde, passeámos pela marina até ao Fort St. Angelo. Este local, que serviu de cenário para a gravação da Guerra dos Tronos, remete para os tempos medievais. Neste local é possível ter uma vista deslumbrante de Valletta na outra margem.

Bilhete Ferry: 1,50€ ida/ 2,80€ ida e volta
Entrada Forte: 8€
Autocarro 2 ou 4 (com saída de Valletta)

Como na maioria das cidades de Malta, Vittoriosa tem ruas, ruelas e becos deslumbrantes para serem apreciados e foi o que fizemos o resto da tarde.

Rua em Vittoriosa, Malta
Vittoriosa

De regresso a Valletta de ferry, jantámos na Zero Sei, uma trattoria tipicamente italiana, com um ambiente muito simpático e acolhedor que serve pratos de pasta absolutamente divinais. Não deixes de experimentar a Carbonara e, se gostas de terminar a refeição com algo doce como nós, recomendamos um tiramissu ou uns cannolis de comer e chorar por mais.

Dia 2

San Julian’s

Neste dia decidimos ir conhecer uma zona diferente de Malta e aproveitar para passear à beira mar. Apanhámos o autocarro para St. Julian’s e visitámos a praia de St. George’s Bay.

Esta zona é bastante diferente de Valletta com prédios altos, grandes hotéis, casinos e shoppings. Nesta zona fica também Paceville. Paceville é considerada a capital da vida noturna de Malta devido ao grande número de bares, restaurantes e discotecas da zona. Dependendo da tua idade e dos teus interesses, pode ser um ótima zona para sair à noite. Nós não visitámos Paceville durante a noite mas fomos conhecer a zona durante o dia.

Shoreditch Bar and Kitchen, panquecas

Foi desta forma que conhecemos o Shoreditch Bar and Kitchen e comemos um dos melhores hamburgueres e umas das melhores panquecas nos últimos tempos. Não podíamos recomendar mais este restaurante. Se fores a Malta, não deixes escapar esta experiência.

Sliema

Depois do almoço passeámos pela costa até ao The Point Shopping mall, em Sliema, e aproveitámos para queimar algumas das muitas calorias que ingerimos. Esta caminhada são cerca de 4km. Passámos pela marina de Portomaso e as baías de Spinola, St. Julian’s, Balluta e Exiles. É muito agradável fazer esta caminhada pois todo o caminho é feito à beira mar e ao longo do caminho há muitos espaços para relaxar e descansar assim como cafés e restaurantes.

Há várias linhas de autocarro que fazem a ligação entre Valletta e a zona de St. Julian’s e de Sliema.

Dia 3

Marsaxlokk

Marsaxlokk é uma vila piscatória muito conhecida pelos seus barcos coloridos tradicionais, os Luzzus, e pelo mercado do peixe ao domingo. Visitámos Marsaxlokk e o mercado de domingo e, mesmo estando um tempo chuvoso, o mercado estava cheio e foi uma experiência muito interessante.

Aproveitámos para almoçar peixe (claro!) num dos restaurantes da cidade. Recomendamos a visita à Marsaxlokk e a experienciar o mercado.

Autocarro 80 ou 82 de Valletta para Marsaxlokk

Marsaskala

De Marsaxlokk fomos até Marsaskala, principalmente para visitarmos as salinas. Esta visita foi muito rápida porque o tempo chuvoso transformou-se em chuva intensa e decidimos voltar a Valletta. Marsaskala é também uma vila piscatória que cresceu e se tornou uma das zonas de férias mais frequentadas no sul de Malta.

Barcos em Marsaskala, Malta

Autocarro 119 de Marsaxlokk para Marsaskala

Dia 4

Comino

Escolhemos este dia para visitar a ilha de Comino e foi o dia em que apanhámos melhor tempo na nossa viagem dando assim para aproveitarmos a ilha e as baías da melhor forma. No nosso itinerário em Malta, Comino foi sempre paragem obrigatória. Sabiamos que, dependendo das condições do mar, poderia não ser possível a visita mas no dia em que escolhemos visitar a ilha não houve qualquer problema.

Para chegares a Comino deves apanhar o barco em Cirkewwa. Apanhámos o barco da Comino Ferries Co-op que custa 10 euros (ida e volta). Aconselhamos que vás o mais cedo que conseguires pois a viagem de autocarro de Valletta até Cirkewwa demora cerca de 1h30 e, na altura em que fomos, o último barco para voltar de Comino era às 17h. Quanto mais cedo fores mais vais conseguir aproveitar do dia.

Comino é uma ilha quase desabitada (apenas tem um hotel, que só está aberto durante a época balnear e não tem estradas nem carros). Passear pela ilha é uma experiência inesquecível.

Vista dos Penhascos, Comino
Vista dos Penhascos, Comino

O ponto de interesse principal e mais conhecido é a Blue Lagoon mas não te limites apenas a essa zona da ilha. Todos os barcos param na blue lagoon e é a única zona da ilha onde podes comprar alguma coisa para comer o que faz com que esta zona esteja sempre muito cheia de turistas o que pode afetar a tua experiência. Aproveita para passear e conhecer outros recantos da ilha onde poderás estar muito mais à vontade, como se estivesses numa ilha deserta. Ao longo da ilha há muitos recantos e baías onde podes aproveitar para dar um mergulho e aproveitar o sol.

Autocarro 41 ou 42 de Valletta para Cirkewwa
10€ bilhete de barco de ida e volta

Podes ver mais informações sobre a nossa visita à ilha de Comino aqui.

Neste dia jantámos em Valletta, no Il Teatro trattoria, uma refeição verdadeiramente italiana, que recomendamos.


Nesta publicação descrevemos a primeira parte do nosso itinerário em Malta. Ficámos muito surpreendidos e ao fim destes 4 dias já estávamos rendidos ao país. Na parte seguinte desta publicação descrevemos os 3 últimos dias do nosso itinerário em Malta assim como atividades extra que podes querer fazer quando estiveres a planear o teu itinerário em Malta. Podes ver aqui a continuação do nosso itinerário em Malta.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *